quarta-feira, 18 de maio de 2016

terça-feira, 17 de maio de 2016

Os porquês da vida

EXERCÍCIOS
1.       Empregue porque, porquê, por que ou por quê nas lacunas das frases a seguir:
1.      Chegou o momento __________eu esperava. 
2.       ___________ você não nos disse nada? 
3.       Desconheço o _________de sua atitude .
4.       Desconheço a razão ___________ você se cala.
5.       Você ainda o defende _____________? 
6.       Saí, sim ________________?
7.       Queria saber __________ você não foi à reunião ontem.
8.       Não fui à reunião _____________fiquei doente.
gabarito
1-por que ( pelo qual)
2- por que POR QUE (início de frase)
3- porquê ( substantivo, o porquê
4- por que ( pela qual)
5. por quê(final de frase)
6- por quê ( final de frase)
7- por que(por que motivo)
8-porque( causa ou explicação

Exercícios de vestibular
01. (INSPER 2009)
Preencha a lacuna com porque, porquê, por que, por quê: “Nunca nos perguntaram _____ cometemos tamanho equívoco. Talvez _____ não quisessem ouvir a verdade. Os _____ doem às vezes.”
a) por que, porque, porquês                             d) porquê, por que, porquês
b) porque, porque, porquês                              e) porque, porque, por quês
c) por que, por que, por quês

segunda-feira, 28 de dezembro de 2015

SEGUNDA FASE - QUESTÕES COMENTADAS

QUESTÕES COMENTADAS


QUESTÃO 1 UNICAMP 
Comentário
a)  “esculhambativo”  é formado do verbo esculhambar  por derivação sufixal do , o adjetivo indica que o evento será avacalhado, bagunçado, desordenado. O sufixo -ivo  indica a ideia de ação, ou seja de realizar alguma atividade pejorativa. A intenção é causar uma confusão ou estardalhaço no evento de São Paulo.
b) A diferença de sentido entre “esculhambado” e “esculhambativo” :
 esculhambado é adjetivo  que atribui ao  substantivo “  evento” uma ideia de estado conclusivo, ou seja, o evento já está fadado ao fracasso.
 Quanto ao adjetivo  esculhambativo, o sufixo imprime ao vocábulo uma ideia de ação a ser realizada., que vai produzir um efeito negativo ao outro evento.Fuvest 2015 2ª. fase

QUESTÃO 2 - FUVEST

a) O efeito é de contradição . Os elementos verbais atribuem ao novo design dos pontos de
ônibus “conforto, segurança e beleza”, o que é confirmado pelo aspecto visual da parada, e se
opõe de, forma irônica ,  em relação à vida nada confortável do morador de rua.
 que usa o topo do ponto de ônibus como
cama.
b) Nas falas de João Paulo Silva, além do uso coloquial de pra, há também o emprego informal da
expressão “calor de matar”, “faço o que dá”.


Resposta questão 2
a) I. O futebol conquistou um papel na sociedade, tanto cultural, quanto econômica e politicamente. O futebol conquistou na sociedade um papel cultural, econômico e político.
 II. Os clubes buscam a expansão do número de associados bem como a redução dos gastos com publicidade. Os clubes buscam expandir o número de associados bem como reduzir os gastos com publicidade.
b) III. Diante de tais fatos, fica claro que o futebol exerce uma grande influência no cotidiano do brasileiro.
IV. O técnico declarou aos jornalistas que, para o próximo jogo, ele tem uma carta na manga (ou no bolso do colete).

QUESTÃO 3 UNICAMP
RESPOSTA
       A)    Em “interesse público”, público funciona como  adjetivo.
 Em “interesse do público”, público funciona como substantivo.
Como adjetivo, público concorda com o substantivo interesse em gênero e número
(assim, se o substantivo fosse feminino , como”  opinião pública” o adjetivo  concordaria em gênero e número.
Como substantivo, público forma uma locução adjetiva com a preposição de. Outros exemplos: opinião do público., opiniões do público( a expressão fica invariável)

B)     Interesse público é sinônimo de “interesse social” e  diz respeito  à coletividade, ou seja o  algo interessa à sociedade interesse é geral. "As decisões do Banco Central " é de interesse público

 Interesse do público  indica curiosidade, desejo de saber sobre a vida de"X" ou "y" ou alguma celebridade.

Questão 4 - Unicamp

Resp.
a) As metáforas  podem ser entendidas como: “porto ou cais”: pontos de partida ou de chegada da viagem proporcionada pela leitura; “porta”: abertura para o conhecimento de novos mundos, reais ou imaginários. “Rota”:  caminhos que levam o sujeito a ampliar sua visão de mundo.

b) O autor, a princípio, conhece a realidade na prática, embora desconfie que a realidade vá além essas percepções: “A extensão do meu olhar não podia determinar a exata dimensão das coisas”. A experiência da leitura propiciou ao autor uma mudança interior, possibilitando o questionamento da realidade, o conhecimento da diversidade de espaços e a compreensão da alma humana: “Pelo livro soube da história e criei os avessos, soube do homem e seus disfarces, soube das várias faces e dos tantos lugares de se olhar.” Portanto, leitura enriquece o mundo interior do autor: “Ler é aventurar-se pelo universo inteiro.”

QUESTÃO 5 - FUVEST 2016


Resposta
A) Sim, a ideia de “não nos deixar cair em tentação e nos livrar do mal” indicando complementaridade e não oposição.

 B) Não nos deixe cair em tentação, mas livre do mal.
Pode-se dizer também que neste “mas” está implícita a ideia de que se caíssemos em tentação, seríamos livrados do mal.
“ Não nos deixe cair em tentação, mas se cairmos, livre-nos do mal.”

segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Reescritura

Questão 1 – resposta
a) Nunca ninguém tomou conhecimento da crise a que cansei de me referir, nas páginas deste jornal, temerosa e inutilmente.
b) É sabido que no século XX houve mais desenvolvimento científico e tecnológico (do) que o produzido por todas as outras épocas da história humana juntas. / É sabido que o século XX produziu mais desenvolvimento científico e tecnológico (do) que todas as outras épocas da história humana juntas.
Questão 2
Resposta
a) termos que têm como foco a atitude subjetiva do autor.

b) embora o seu mundo imaginário corresponda muito menos à realidade empírica

sexta-feira, 27 de novembro de 2015

AMBIGUIDADE



Resposta

Ele respondeu:
- Este dinheiro não está na sua conta.
- Este dinheiro não tem nada a ver com você.

quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Regência nominal - exercícios


Exercícios de Regência nominal - gabarito

Que expressões completariam as lacunas?

1. “Não me refiro _____ estava sentada, mas sim______ pessoa ______ tu também te referias”.

a) a que - à - que;
b) aquela que - à - que;
c) àquela que - à - à que;
d) à que - a - à que;
e) à que - à - a que.


2. Na frase: “Tende a satisfazer as exigências do mercado”, substituindo-se “satisfazer” por “satisfação”, tem-se a forma correta:

a) tende à satisfação as exigências do mercado;
b) tende a satisfação as exigências do mercado;
c) tende a satisfação das exigências do mercado;
d) tende a satisfação às exigências do mercado;
e) tende à satisfação das exigências do mercado.


3. Complete os termos grifados usando a a devida preposição.
1.     O fumo é prejudicial _à_ saúde.
2.     Financiamentos imobiliários tornaram-se acessíveis à__população.
3.    Seu projeto é passível  __de  reformulações.
4.     Esteja atento _a_ tudo que acontece por aqui.
5.    Suas ideias são compatíveis  com__ as minhas.
6.    O aluno estava ansioso --pela- nota da prova.
7.    A criança tem medo _do_ escuro
8.    O professor fez referência _ao_ conteúdo da prova .

4. As palavras ansiosocontemporâneo e misericordioso regem, respectivamente, as preposições:
a) a – em – de – para.
b) de – a – de.
c) por – de – com.
d) de – com – para com.
e) com – a – a.


6. (TJ – SP) Indique onde há erro de regência nominal:

a) Ele é muito apegado em bens materiais.
b) Estamos fartos de tantas promessas.
c) Ela era suspeita de ter assaltado a loja.
d) Ele era intransigente nesse ponto do regulamento.
e) A confiança dos soldados no chefe era inabalável.


7. Em Tenho ódio mortal dos mosquitos, Drazio [sic] Varella usa a preposição de para ligar a palavra ódio à palavra mosquitos. Poderia, se quisesse, ter usado a e escrever: Tenho ódio mortal aos mosquitos. Trata-se da opção por uma determinada regência nominal. 
a) Leia os três trechos a seguir e diga em qual deles é possível empregar indiferentemente de ou a. 
I. Eu, que tinha ódio ao menino, afastei-me de ambos. (Machado de Assis, Memórias póstumas de Brás Cubas.) 
II. O ódio a Bill Gates se explica com uma palavra bem arcaica e bem humana: inveja. (Folha de S.Paulo, 02.07.2008.) 
III. O desejo de um conde por uma jovem desperta o ódio da mulher do nobre. (Folha de S.Paulo, 11.08.2008. Adaptado.) b) Explique o porquê da sua escolha anterior.

Resolução 
a) Em I, é possível trocar a por de: Eu, que tinha ódio do menino.
 b) O mesmo não ocorre em II, em que “ódio de Bill Gates” poderia se entendido como “ódio que Bill Gates sente”; nem em III, em que a substituição de “ódio da mulher” por “ódio à mulher” alteraria o sentido da expressão, de “ódio que a mulher sente” para “ódio que sentem pela mulher” 


quarta-feira, 18 de novembro de 2015

SUJEITO - EXERCÍCIOS GABARITO COMENTADO


Sujeito - exercícios - GABARITO - comentado
1-D – autores é o núcleo do sujeito
2-D – João e Maria foram ( sujeito composto João, Maria)
3-B – Muitas coisas (Sujeito simples e claro)
4-B – sujeito indeterminado( não se sabe quem bate)
5-C – O verbo haver é impessoal( sem sujeito) quando pode ser substituído pelo existir)
6-B- não se sabe exatamente quem vive ( sujeito indeterminado pela palavra se)
7-B – fazer é verbo impessoal( sem sujeito)
8-C – Juquita é vocativo, o sujeito é você ( oculto no verbo continue)
9-C – o que define o sujeito indeterminado é o verbo na 3ª. Pessoa do plural( não se sabe exatamente quem decidiu eletrificar os muros)

10-A – nenhuma está correta porque o sujeito é ESSE LIXO. 2º. Quadrinho( O que enfeia a rua? )
11-B – oração sem sujeito ( anoitecer indica fenômeno da natureza)
12-B – oração sem sujeito ( verbo fazer indica fenômeno da natureza)
13-B – sujeito simples - ninguém
14-A – Boatos da revolução – sujeito simples.